PAOLA RIBEIRO

Paola Ribeiro.jpg

Paola Ribeiro

E N T R E - Rua Cruzeiro, 2021

Videoperformance de ações realizadas no espaço expositivo

Estou diante de vocês.
Enquanto isso minha voz está sendo gravada.
Essa gravação vai tocar repetidas vezes.
Para cada repetição uma nova gravação.
Para cada gravação mais uma camada de voz.
Chamo isso de Fagia.
Fagia significa alimentar-se.
Aqui me alimento até que a palavra se desfaça.

Paola Ribeiro 

1986, Brasil

Vive e trabalha em São Paulo, SP.

Artista, pesquisadora, mestranda no Instituto de Artes da Unesp e formada em Artes Visuais pelo Centro Universitário Belas Artes, de São Paulo. Atualmente, investiga a ideia de um corpo que se expande através da voz. Um corpo muito atento e interessado nas relações que se dão por meio da percepção. Tato. Audição. Paladar. Visão. Olfato. Voz. A ação desse corpo se articula pelo entrelaçamento de linguagens como performance, música e vídeo. 

Participou de uma série de festivais e exposições coletivas, com destaque para: Dystopie: Sound Art Festival (2020, Berlim); Tá Me Vendo? Tá Me Ouvindo? (2020-2021, Casa Niemeyer, Brasília);  Novas Frequências – Ano X (2020, RJ); Corpo que É Meu Outro (2020, Centro de Educação e Cultura Francisco Carlos Moriconi, Suzano, SP); Experimental de Cinzas (2020, SP); 4ª edição do Língua Fora (2019, SP);  2ª edição do Festival CHIII (2019, SP), como convidada do duo Rádio Diáspora; e Mostra de Artes visuais da Unesp (2019-2020, SP).

Instagram: @paola_ribeiros